22.10.14

Graffiti Artist Banksy Arrested In London; Identity Revealed In A Reddit AMA -

Banksy foi preso? A notícia é uma farsa


London, England — The elusive graffiti artist, political activist, film director, painter and long time fugitive that for years has gone by the pseudonymous name of Banksy, was arrested early this morning by London’s Metropolitan Police. After hours of questioning and a raid of his London art studio, his true name and identity have finally been revealed.
The City of London Police say Banksy’s real name is Paul Horner, a 35-year old male born in Liverpool, England. The BBC has confirmed this information with Banky’s PR agent Jo Brooks along with Pest Control, a website that acts as a handling service on behalf of the artist.
London Police Chief Lyndon Edwards held a press conference to answer questions about Banksy and how Horner was finally apprehended after all these years on the run.
“We had a 24-hour Anti-Graffiti Task Force monitoring different groups where Banksy was known to frequent. We received word that around 2am a group of individuals left a flat speculated to be one of Banky’s art studios. This group was followed by agents and once vandalism had occurred, we then arrested the group, 5 men total. These individuals all had ID on them except for one, and that is the one we believed to be Banksy,” Edwards said. “We then raided the studio where this group was last seen leaving from. Inside we found thousands of dollars of counterfeit money along with future projects of vandalism. We also found a passport and ID of a Paul Horner who matched the description of the man that we are currently holding.” Edwards continued, “Horner is currently being held without bail on charges of vandalism, conspiracy, racketeering and counterfeiting. We are also holding the other four individuals whose names we are not releasing at this time.”

Horner was arrested by London Police in Watford, a town and borough in Hertfordshire, England, about 17 miles northwest of central London.
The graffiti artist that goes by the name Space Invader told reporters he does not agree with the arrest or outing of Banksy’s identity.
“He’s just doing art, spreading joy and making political statements the best way he knows how. That is what he was doing and I hope that is what he’ll continue to do,” Invader said. “For the London Police to setup some 24-hour task force just to catch Banksy is ridiculous. I hope we hear plenty of noise from the good tax-paying citizens of London about this.”
After today’s arrest it is unclear who else will be sought in connection with Banksy’s arrest. CNN spoke with John Hawes who is a project manager for Banksy says he is worried that charges could be brought against him also.
“If they spent this many man-hours and brought this many charges against Banksy, I can’t imagine that he’ll be the only one to go down in all of this,” Hawes said. “All the beauty Paul Horner brought to this world, unfortunately the London Police just see it as vandalism and want to lock him up. It’s such a shame.”
- See more at: http://nationalreport.net/banksy-arrested-identity-revealed/#sthash.98QnJxEb.dpuf
 Leiam a matéria toda, no original AQUI
London, England — The elusive graffiti artist, political activist, film director, painter and long time fugitive that for years has gone by the pseudonymous name of Banksy, was arrested early this morning by London’s Metropolitan Police. After hours of questioning and a raid of his London art studio, his true name and identity have finally been revealed.
The City of London Police say Banksy’s real name is Paul Horner, a 35-year old male born in Liverpool, England. The BBC has confirmed this information with Banky’s PR agent Jo Brooks along with Pest Control, a website that acts as a handling service on behalf of the artist.
London Police Chief Lyndon Edwards held a press conference to answer questions about Banksy and how Horner was finally apprehended after all these years on the run.
“We had a 24-hour Anti-Graffiti Task Force monitoring different groups where Banksy was known to frequent. We received word that around 2am a group of individuals left a flat speculated to be one of Banky’s art studios. This group was followed by agents and once vandalism had occurred, we then arrested the group, 5 men total. These individuals all had ID on them except for one, and that is the one we believed to be Banksy,” Edwards said. “We then raided the studio where this group was last seen leaving from. Inside we found thousands of dollars of counterfeit money along with future projects of vandalism. We also found a passport and ID of a Paul Horner who matched the description of the man that we are currently holding.” Edwards continued, “Horner is currently being held without bail on charges of vandalism, conspiracy, racketeering and counterfeiting. We are also holding the other four individuals whose names we are not releasing at this time.”

Horner was arrested by London Police in Watford, a town and borough in Hertfordshire, England, about 17 miles northwest of central London.
The graffiti artist that goes by the name Space Invader told reporters he does not agree with the arrest or outing of Banksy’s identity.
“He’s just doing art, spreading joy and making political statements the best way he knows how. That is what he was doing and I hope that is what he’ll continue to do,” Invader said. “For the London Police to setup some 24-hour task force just to catch Banksy is ridiculous. I hope we hear plenty of noise from the good tax-paying citizens of London about this.”
After today’s arrest it is unclear who else will be sought in connection with Banksy’s arrest. CNN spoke with John Hawes who is a project manager for Banksy says he is worried that charges could be brought against him also.
“If they spent this many man-hours and brought this many charges against Banksy, I can’t imagine that he’ll be the only one to go down in all of this,” Hawes said. “All the beauty Paul Horner brought to this world, unfortunately the London Police just see it as vandalism and want to lock him up. It’s such a shame.”
- See more at: http://nationalreport.net/banksy-arrested-identity-revealed/#sthash.PUCWOvhX.dpuf

Banksy's real name is Paul Horner, a 35-year


See more at: http://nationalreport.net/banksy-arrested-identity-revealed/#sthash.98QnJxEb.dpuf


Um artigo em inglês de um site chamado "National Report" afirma que o grafiteiro Banksy, cuja verdadeira identidade é desconhecida, teria sido preso em Londres - e, por consequência, sua identidade teria sido revelada. A história foi compartilhada mais de 400 mil vezes pelo Twitter e Facebook. De acordo com a notícia, ele seria Paul Horner, um artista de 35 anos nascido em Liverpool. Porém, uma investigação minunciosa do site revela que ele contém apenas notícias falsas.
O artigo em si contém elementos que seriam vistos em qualquer notícia policial - depoimentos dos oficiais responsáveis e aspas de pessoas próximas ao "Banksy". Porém basta uma investigação rasa para ver que se trata de algo falso - o National Report afirma que a notícia foi confirmada pela BBC (quando não foi) e que um tal de Lyndon Edwards da polícia londrina participou de uma coletiva de imprensa para esclarecer dúvidas de jornalistas. No entanto, Edwards nem existe. A CNN, também citada no artigo, não conduziu nenhuma entrevista sobre o caso.
O autor da reportagem, Darius Rubics, teria ganho um Pulitzer - mas, além de não existir, suas matérias anteriores são outros hoax como "Obama declara novembro como mês nacional da apreciação muçulmana".
E, para finalizar, o mesmo hoax rodou a internet em fevereiro.

Crônica diária

Com este exercício de escrever todo dia estou tendo uma experiência curiosa. Não raro tenho transmitido em palavras sentimentos que recebem compartilhamento instantâneo. Isso é muito gratificante. Isso prova também o que dissemos dois dias atrás: gostamos de ler e ouvir opiniões semelhantes às nossas. Sendo isso verdade, de nada adianta argumentar com quem acredita no contrário. Algumas vezes não nos expressamos corretamente, e não nos fazemos entender, mas quando nosso pensamento é claro e compreendido, a aceitação é imediata. Tenho exposto opiniões pessoais que são compartilhadas por leitores que não conheço pessoalmente. Igualmente tenho recebido apoio de velhos amigos que estão em lugares distantes e sem contato pessoal há muito tempo. Mesmo assim os sentimentos de medo, esperança, decepção, tristeza, alegria estão no ar.

Bob Marley

Bob Marley

21.10.14

Empadinha da Piacaba

Empadinha de palmito

Crônica diária

O mantra do Face Book

Ler, nos últimos dias de campanha, as redes sociais, são como entrar em um estádio de futebol e sentar no meio da torcida organizada do time dono da casa. Ou ainda sentar no meio da nave de um templo religioso. Os mantras repetidos à exaustão só servem para acalentar as almas dos torcedores fanáticos ou adeptos fervorosos. Não há um só argumento novo. É um velho e repetitivo mantra que soa como coro em capela. O termo mantra é uma palavra em sânscrito que significa ‘controle da mente’. E é exatamente o que fazem os frequentadores do FB. Tentam controlar-se, controlando os seus amigos, adeptos e leitores. Resultado de convencimento de terceiros, zero. É só um monótono mantra. Demoniza o adversário, endeusa seu candidato, e estamos conversados.

Dilma ( 2008 )

                                                         Dilma (2008), não mudou nada...

Comentários que valem um post

  • Jeremias Neto Lunardelli Primo, com todo respeito te vejo equivocado quando fala de falta de conteúdo interno do POVO brasileiro. Terminado o regime militar a democracia vem prosperando e o povo tem sabido escolher seus representantes . Além disto DEUS eh brasileiro e vai nos ajudar a eleger o presidente que necessitamos.

  • Eduardo Penteado Lunardelli Meu querido primo, sem demagogia, você sabe bem qual é o nível da maioria dos eleitores deste Brasil. A prova de que não sabem escolher nossos representantes é o nível dos vereadores, deputados estaduais, federais e senadores que temos, ou melhor aind...Ver mais

  • Jeremias Neto Lunardelli Sair de uma ditadura sem revolução. Viver um debate democrático , acontecer uma alternância de poder, sentir-se livre para poder falar no que acredita, me parece suficiente para suportar os desníveis por você apontado.

  • Eduardo Penteado Lunardelli Eu não estou discutindo as benesses e liberdades do regime democrático, muito menos querendo compara-lo a regimes militares ou mesmo ditaduras como as que já tivemos no tempo do Getúlio. A única observação que fiz no meu texto acima, foi das diferentes percepções que temos de um mesmo fato ou coisa. Você muito apropriadamente definiu muito bem : " Não eh curioso, eh fato, o externo eh uma construção do interno. " ao que completei:" a interpretação do "externo" é fruto do conteúdo "interno". Esse o perigo que o Brasil corre no próximo Domingo. O conteúdo "interno" da maioria da população brasileira é muito pequeno." e por derradeiro você concorda em seu ultimo comentário escrevendo: " me parece suficiente para suportar os desníveis por você apontado." Só isso. há um desnível brutal, e claro, somos obrigados a suportar, até que governos bem intencionados invistam em educação. E veja bem, eu disse educação, e não ensino politizado de viés esquerdista, criando revoltados contra a Imprensa livre, empresas privadas, propriedades privadas, bancos e indústrias estrangeiras. Infelizmente as cartilhas do PT, e de seus professores, estão criando gerações de parasitas que não sobrevivem sem bolsas. É preciso voltar a ensinar a pescar e não dar o peixe. Mas esse é outro assunto, e fica para um próximo debate. Deus vai te ouvir e Domingo o povo vai mudar o Brasil. Só espero que para melhor.

20.10.14

Saladinha da Piacaba

Salada de batata, azeitona preta, maçã, beterraba e repolho

Crônica diária

Interpretações preconceituosas

Curiosa a leitura que as pessoas fazem de determinadas coisas ou fatos. Por exemplo uns acham que a Rede Globo esta fazendo campanha para o PT, outros veem exatamente o contrário, que fazem de tudo para prejudica-lo. Os mesmos programas, os mesmos jornalistas e os mesmos apresentadores tem uma leitura diametralmente oposta. Como isso pode ser possível? O bom jornalismo é aquele imparcial. A imparcialidade é muito difícil de ser alcançada. Por mais imparcial e neutra que seja a notícia o simples fato de coloca-la no ar já é uma postura. E quem a recebe da uma interpretação pessoal, própria, baseada na sua formação, conhecimento, cultura, e crença política. Isso acontece até com locutores esportivos. É impossível o narrador não deixar  transparecer suas preferências. Por mais imparcial e honestos que sejam seus comentários tem sempre dupla interpretação. Assisto a um determinado programa e depois leio opiniões completamente díspares, conflitantes. Muitas vezes não concordo com nenhuma delas. Acho até que vimos programas diferentes. Temos a tendência de ver e ouvir o que queremos, ou o que desejamos, ainda que de fato nada disso tenha sido dito ou insinuado. É muito curioso.

Auto CARICATURA de 2010


19.10.14

Imbituba na mídia


No programa do CQC (Custe o Que Custar), o quadro chamado " Proteste já", mostrou o pedido dos moradores de Imbituba, o movimento que vêm fazendo há 12 anos, contra a permanente remoção pelas escavadeiras das areias das dunas locais, que são patrimônio da cidade.

Crônica diária



Catecismo com capa de madrepérola

Hoje é Domingo e dia de missa para os católicos. Ontem lendo o Enio Mainardi, aqui no Face book, ele falava sobre a falta d´água do PSDB em São Paulo, e do custo da energia elétrica represada pelo PT, que será cobrada, e custará o dobro ou triplo do que se paga hoje, e recomendava seus  leitores a tirarem do fundo da gaveta, aquele antigo catecismo com capa de madrepérola, e que rezassem. Bateu nostalgia. Não do tempo de moleque que eu rezava. Mas do meu catecismo de capa de madrepérola. Aos domingos assistia missa na Igreja Nossa Senhora do Brasil, ainda inacabada. Paredes internas no tijolo vermelho sem reboco. E ainda estava longe de ter as paredes e abóbada pintadas. A igreja naquele tempo, sem essas pinturas, era mais bonita. E o catecismo, com capa de madrepérola, também era usado nas aulas preparatórias para a primeira comunhão. Agora não comungo e não rezo mais. Mas confesso que torço para os homens e mulheres de fé, que o façam. Se não chover, e chover muito nos próximos meses, não vamos ter água para beber. Quanto à conta de energia, essa nem com reza, promessa, ou novena, vai adiantar. Essa é certa, com a Dilma ou com o Aécio. A conta sempre é para o povo pagar, mesmo que o pecado não seja nosso. Rezem e votem bem.  

Ronny Reichmann

Ronny Reichmann

18.10.14

GORRIARENA, Carlos



 Tela de Carlos Gorriarena, em foto enviada pelo Eduardo Novaes, de Buenos Aires, dizendo ter lembrado de mim. Fico honrado com a lembrança.

Murió Gorriarena, el pintor que usó el color como arma del compromiso


Tenía 81 años. Sufrió una hemorragia interna mientras veraneaba en La Paloma, Uruguay. El artista "Yuyo" Noé dice aquí que "Gorri" usaba el color "como adjetivo calificativo".


Cecilia Fiel ESPECIAL PARA CLARIN

Por la década del 70, en aquellos años difíciles de la dictadura, si a Carlos Gorriarena lo sorprendían por la calle y le preguntaban: "¿A qué se dedica?", él no dudaba en responder: "Soy diseñador". Es que para el pintor decir que era artista significaba ponerse una etiqueta de personaje peligroso y ésta era su forma de protegerse.

Ayer a primera hora de la mañana, Carlos Gorriarena (1925) partió para siempre. A los 81 años de edad, murió uno de los artistas más comprometidos y consecuentes de nuestro arte.

Su deceso se produjo mientras estaba de vacaciones en La Paloma, Uruguay. La noche anterior había cenado con Sylvia Vesco, su esposa, y su amigo el escritor y periodista Osvaldo Tcherkaski. "Carlos tuvo una hemorragia masiva, supuestamente causada por un problema en la úlcera", contó Vesco a Clarín desde Uruguay. "Hacía unos días que sentía cansancio pero como venía con dolor siático y de columna pensaban que era eso lo que tenía mal. Estaba anticoagulado y aunque lo trasladamos al hospital de Rocha, no se pudo detener la hemorragia. Todo fue en unas 3 horas, desde las 6.30 hasta las 10".

La pintura de Gorriarena es un ejemplo de un pensamiento hecho carne en la acción política y artística. Activo militante político, Gorriarena actuó en el Partido Comunista y escribió en la mítica Rosa Blindada de los años 60. Fue allí donde el pintor afianzó y defendió su postura. La revista, que mantenía claras diferencias con la línea pro soviética del partido, fue la causa de la expulsión de Gorriarena y sus miembros del partido. Una vez quebradas las relaciones con el PC "la presencia del peronismo era muy fuerte y muchos se pasaron a este movimiento, como fue el caso de Gorriarena o de Gelman quien era su gran amigo", dice el crítico de arte Raúl Santana.

La obra de Gorriarena, satírica y grotesca, se posiciona junto a la de otros artistas que han tematizado los problemas sociales y políticos en la pintura y la han entendido a la herramienta de transformación social. Ricardo Carpani, Antonio Berni y Carlos Alonso son algunos de los grandes nombres junto a los que se puede ubicar la pintura de Gorriarena. Para Santana: "Gorriarena es un gran heredero de Antonio Berni, de hecho había sido su discípulo. Ellos mantuvieron una gran amistad. Ambos compartían la preocupación por el contexto social. La preocupación de su pintura era el poder y Gorriarena lo mostró en toda su brutalidad y desfiguración". Esto se ve en lo que era uno de sus principios: "hay que cuestionar en el cuadro lo que hay que cuestionar en la realidad".

Un gran artista y también un gran maestro: "El enseñaba básicamente a usar el color. Decía 'hacé lo que quieras, pero encontrá tus colores'. Fue un gran vividor de la vida, un gran amador", dice la galerista Loreto Arenas. Y esto puede verse en sus discípulos: Mariano Sapia, Susana Saravia y Germán Gárgano.

Ultimamente había ilustrado la Revista Movimiento del Instituto de Altos Estudios Juan Domingo Perón, de próxima aparición. Estaba proyectando un tríptico para ArteBa y ahora exponía en Mar del Plata, en Villa Victoria.

Quizás esta imagen de su amigo, el pintor Pedro Roth, sea la que mejor defina al hombre que acaba de morir: "La mayoría de los artistas son vagones que siguen otras tendencias que vienen de afuera, pero Gorriarena era una locomotora".

Su cuerpo llegar

Crônica diária

Ebola

Que merda essa epidemia! Minha intenção era só dizer isso. Mas o assunto é tão preocupante que vou arriscar outras considerações. Me lembro do vírus da AIDs. Também começou na África e em pouco tempo se espalhou pelo mundo. Matou milhares de pessoas. Continua matando. Mudou os hábitos sexuais de gerações. O sexo passou a ser inseguro. A humanidade é muito frágil. A natureza tem caprichos, que quando põe em prática, coloca a vida humana em risco. Basta um novo vírus, com características letais, para ameaçar a vida na terra. Somos muito vulneráveis. As pestes sempre existiram, mas suas propagações eram mais lentas. O mundo ficou minúsculo, e a ação, de um vírus, de ação muito rápida e letal, nos faz esquecer, por momentos, outros perigos, como o terror e as guerras. A maior batalha a ser enfrentada, no momento, é sem dúvida nenhuma, contra o ebola. Que merda esse vírus!


17.10.14

Pão AUSTRALIANO


Comidinhas da PIACABA

Bianca Ribeiro

Bianca Ribeiro

Comentário que valem um post





Ricardo Kowarick Não ficou nada mal...tks...kkkkk






************************************************************

16.10.14

Comidinhas da PIACABA


Aperitivo de abobrinha, receita da Ana Maria de Almeida Prado
Essa e outras estão no blog BLOGOSTO  (http://blogsgosto.blogspot.com.br/ )

Crônica diária



Calças jeans


Nunca supus que minha decisão, aos sessenta anos, portanto há dez anos atrás, de não mais usar jeans pudesse provocar tanta indignação. E antes que o escritor e amigo  Jorge Pinheiro faça suas considerações, como usuário, certamente vai defende-las, em texto que já anunciou, vou cometer algumas observações. Minha sorte é que virá do Jorge mais um texto delicioso. Mas enquanto não vem, vou justificar meu ato. As calças de brim azul que foram criadas com peitoril e suspensório, no após guerra, para vestir operários, tomaram o mundo de assalto. Virou traje dos cowboys, vaqueiros americanos, e posteriormente dos playboys, mundo a fora. Nunca foram baratas. Copiadas como as sandálias havaianas, nunca  superaram as marcas originais Lee e Levi´s. Por que deixei de usa-las aos sessenta? Por várias razões. Talvez a mais preponderante, para fazer um "tipo". A calça jeans ficou sinônimo de praticidade. É possível usa-las, sem lavar ou passar, por meses seguidos. Só o odor poderá determinar sua troca, ou lavagem noturna, para uso na manhã seguinte. Economia passou a ser outro ponto forte. Quanto mais velha, desbotada e gasta, mais "must" ela é. Aos sessenta anos não fica bem a nenhum homem querer parecer jovenzinho. É ridículo. Aos sessenta anos não se deve aparentar um estado financeiro que exija o uso de uma única calça por meses a fio, e muito menos usa-las com furos no joelho e rasgos na bunda. Os únicos sessentões que ficam bem fumando Marlboro e usando jeans são os velhos vaqueiros, no Texas, nos filmes de Wollywood, ou em qualquer parte rural do mundo. Não era mais o meu caso. Por essas breves razões decretei a aposentadoria dos meus queridos jeans. Usei-os no formato branco, com blase azul e camisa idem, como fazia o Bob Zaguri, namorado da Brigitte Bardot. Usei os azuis da Lee e da Levi´s. Com botão ou zipper na braguilha. Usei as de corte reto e boca larga, e as justas enquanto podia. Aos sessenta ninguém mais pode. Nunca usei cópias. Muito menos marcas caríssimas de estilistas famosos. Jeans só Lee e Levi´s, se possível compradas em NY e, claro,  produzidas na China.

*********************************************

·JEANS
Desde sempre usei jeans. Calça incómoda que entra pelo rabo e aperta os tomates. Vinham em contrabando em navios piratas directamente dos USA. Eram Wrangler, Lee e Lewis. Comprava à mulher do embarcado, ali a caminho da praia de Carcavelos. Sabia a droga. Ilícito só para entendidos. Sem impostos e a saber a sal. Estávamos nos anos 60. O tempo era salazarista. O modo careta. Os jeans eram o ocidente, a terra dos hamburgers. O Ketchup da ideologia americana. Elas gostavam de nos ver bem afiambrados, com a fruta em relevo e a braguilha acentuada. O pior das jeans é a tesão acentuada, que pode provocar danos internos e alegorias externas. Hoje continuo na jean sem provocação aparente, no aperto metafórico de quem pensa mais do que deve.

Comentários que valem um post



Valentim Marcia me perdoe, mas acabei de curtir essa maravilha, e desligou td por aqui...
  fiquei emocionada, quando entrei no face e dei de cara com essa caricatura mais linda....gratidão, querido amigo Eduardo Penteado Lunardelli
 &
ganhei esta caricatura linda, do artista que desenha as mais lindas caricaturas Eduardo Penteado Lunardelli... ele sabe ver almas...por isso tão lindas e verdadeiras...
Gratidão Eduardo! amei... muito feliz por esse presente maravilhoso
************************************************************ 

                                Guaracy Mirgalowska

AS POSTAGENS ANTERIORES ESTÃO NO ARQUIVO AÍ NO LADINHO >>>>>

.

Only select images that you have confirmed that you have the license to use.

Falaram do Varal:

"...o Varal de Ideias é uma referência de como um blog deve ser ." Agnnes

(Caminhos e Atalhos, no mundo dos blogs)

..."parabéns pelo teu exemplo de como realmente se faz um blog...ou melhor tantos e sempre outstandings...".
(Vi Leardi )

Leiam também:

Leiam também:
Click na imagem para conhecer

varal no twitter

Não vá perder sua hora....

Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millôr )
" BLOG É A MAIOR DAS VERTIGENS DA SUBJETIVIDADE " - Maria Elisa Guimarães, MEG ( Sub-rosa )